quinta-feira, janeiro 06, 2011

Somos Crecheiros?


A vereadora Andrea Gouvêa Vieira está enviando e-mail aos AACs com o título: Os vereadores não podem tudo.
Neste e-mail a vereadora relata sobre o pedido da redução da carga horária ser inconstitucional. Aliás, toda melhoria que venha a favorecer os AACs torna-se inconstitucional.
Leiam o e-mail:
Os vereadores não podem tudo
Tenho recebido mensagens de auxiliares de creche pedindo apoio ao projeto de lei que reduz a carga horária das auxiliares de creches. Este projeto foi devolvido ao autor pela Mesa Diretora porque é flagrantemente inconstitucional, ilegal e inócuo. Por isso, sequer deveria tramitar na Câmara. É uma pena a insistência de levar a questão ao Plenário.
É inconstitucional porque o Legislativo não pode propor leis que interfiram no dia a dia da administração pública, alterando carga horária, determinando contratações, etc.

Não caiam nessa história de que a carga horária será modificada caso o projeto seja aprovado, pois o prefeito não estará obrigado a cumprir uma lei inconstitucional.
A Secretaria de Educação está ampliando o número de creches e encaminhou à Câmara um projeto de lei que cria a carreira de professor infantil e abre mais vagas para auxiliares.
O mérito da questão - se oito horas é muito ou pouco - pode e deve ser discutido; é um direito das crecheiras reivindicar melhores condições de trabalho.
A Comissão de Educação da Câmara pode contribuir com o debate, intermediando com a Secretaria de Educação, entendendo que condições seriam efetivamente necessárias para a redução da carga horária. Fora isso, estamos "fingindo" ajudar as crecheiras.
Um abraço,

Andrea Gouvêa Vieira



4 comentários:

antoniofrederico disse...

É um absurdo o desrespeito com que os AACs são tratados.
Sabe por que isso acontece? A PCRJ é a primeirar a nos "avacalhar" nos chamando de "apoio", "Meros", "Herança maligna" e outros codinomes que só denigrem a nossa função.
Como vamos respoder a sra. Vereadora? Agora não. Mas em 2012, daremos nas urnas a resposta que políticos como ela merecem.

eliane disse...

Prezada Vereadora, peço que a parlamentar tome a devida ciência que NÃO SOU, NUNCA FUI e NEM SEREI CRECHEIRA!
Infelizmente, o povo brasileiro elege candidatos iguais à senhora, que servem para macular os ideais de pessoas comuns e honestas como eu.
Prestei concurso para um cargo elementar, mas que serve de base à Educação desta nação, a qual a senhora deve desconhecer profundamente. Tanto que se refere a nós, Agentes Auxiliares de Creche, como CRECHEIRAS. Devo informar à ilustre vereadora que não faço parte do núcleo de seus serviçais, portanto quero ser tratada com o devido respeito que este cargo merece.
Não sou BABÁ, sou EDUCADORA! Goste a senhora ou não esta é a minha função na EI da PCRJ.

A Vereadora responde:

Cara Eliane, acho que, nesse caso, quem é preconceituosa é você, com relação a crecheiras, que são a mesma coisa que agente auxiliar de creche. Crecheira é o nome carinhoso com que chamamos os profissionais aos quais entregamos os nossos meninos e que auxiliam os professores de educação infantil, a carreira que, finalmente, passará a existir na rede pública.
As crianças não precisam de profissionais rancorosos, ignorantes e de mal com a vida. Imagino você entrando numa sala de aula, com o espírito demonstrado acima e completamente ignorante dos fatos.
Andrea Gouvêa Vieira

DATA: 24/12/2010
ELIANE SUZEL PAULO DA CUNHA

Prezada vereadora, chega de hipocrisia!!!! Nome carinhoso com que chamamos os profissionais aos quais entregamos os nossos meninos e que auxiliam os professores de educação infantil, a carreira que, finalmente, passará a existir na rede pública...
Vamos fazer algumas pontuações:
1o. Não auxiliamos o professor. Somos o professor!!!
2o. Nome carinhoso???? Não precisamos desse tipo de carinho! Precisamos de reconhecimento e valorização profissional!
3o. Poderia citar quais as creches que visitou??? A minha não está na sua relação.
4o. Quanto ao seu ponto de vista:
As crianças não precisam de profissionais rancorosos, ignorantes e de mal com a vida. Imagino você entrando numa sala de aula com o espírito demonstrado acima e completamente ignorante dos fatos.
Peço que não faça mais este reconhecimento de valor, pois a senhora não conhece meu perfil profissional e duvido que conheça dos demais AACs, portanto ao falar do que desconhece está afrontado e denegrindo a imagem de uma profissional do serviço público.
Guardarei este e-mail, como faço com os demais, caso seja necessário mostrar sua afronta ao trabalho que executo na PCRJ.
Sem mais,

A Vereadora responde:

Cara Eliane,

1 - Informe-se sobre meu trabalho pelas creches.Quem não me conhece é a senhora. Se conhecesse, não falaria tanta bobagem.
2 - Para se tornar professor de educação infantil tem que fazer concurso.É o que diz a Constituição Federal.
3 - Pessoas que ameaçam o parlamentar com "vou mostrar isso a fulano ou beltrano" só me merecem um profundo desprezo.
4 - Estarei colocando no meu site essa nossa troca de mensagens.
5 - Quem quer ser respeitada precisa respeitar também.

Andrea Gouvêa Vieira

Educadoras dos Berçários 1 e 2 da EMEI Raio de Sol disse...

Fiquei indignada com o termo "crecheira". Aqui no Sul quem trabalha com educação infantil é educador (não aceitamos nem o termo "carinhoso' TIA).
Nosso regime é celetista e as auxiliares alguns anos atrás conseguiram reduzir a carga horária de 8 para 6 horas... Mas não conheço o histórico dessa conquista.
Enquanto professores de educação infantil concursadas e em regime celetista tentamos há se3is anos nossa redução de 32 horas semanais para 30 horas semanais e ainda nao conseguimos...
Continuem lutando e nós mostrando como pessoas que nos representam no governo são tão bem informadas como a vereadora em questão.
Abraços
Marisete Schmidt

nathy disse...

Concordo que fomos tratados com desrespeito ao ser usado o termo CRECHEIRAS, mas não é bom deixar de lembrar que essa senhora ESTÁ vereadora e que podemos mudar essa situação comunicando e orientando amigos, familiares e colegas de trabalho para que esse quadro não se repita.
SOMOS AAC LUTANDO PELOS NOSSOS DIREITOS E VALORIZAÇÃO.